Blog - Giro Cultural

Postado em 12.11.2020 às 16:11 horas

Estimulado pela queda dos juros, o que facilitou o financiamento e favoreceu investimentos em um setor que é considerado mais seguro em tempos de crise, o mercado imobiliário em Cuiabá reage com números positivos, registrando aumento de vendas e lançamentos, uma maneira de enfrentar com otimismo os efeitos da pandemia provocada pelo novo coronavírus. Por outro lado, o isolamento social readequou as prioridades da família e morar bem passou a liderar o ranking.
A queda na taxa básica de juros está entre os motivos que justificam o fato de o mercado imobiliário ter se mantido relativamente aquecido durante a pandemia. A taxa Selic definida pelo Banco Central atingiu o menor patamar da história: 2% ao ano. “Um dos reflexos disso é que financiar um imóvel ficou mais fácil. No Brasil, grande parte da população compra seu imóvel com financiamento”, explica o correspondente bancário, Vagner Marçal, que há 11 anos atuando no setor financeiro.
Vagner explica que nos últimos anos, a taxa Selic vem tendo baixa e a Caixa Econômica Federal possui linhas de créditos para que o cliente tenha um único financiamento com o banco, direcionando os valores para a quitação do terreno e construção. Especialistas apontam que a taxa básica de juros, a Selic, deve começar a subir no segundo trimestre de 2021 quando os dirigentes do Banco Central tendem a se concentrar para a meta de inflação de 2022. A autoridade monetária divulgou suas projeções para inflação de 2021, com números próximos da meta de 3,5%, tanto no cenário híbrido quanto no de referência.
Nesta perspectiva, o especialista em negócios imobiliários, Anderson Richard, pontua que as empresas no setor estão apostando em propostas que intensificam as oportunidades. “Campanhas com Taxa Zero de juros ajudam a incrementar as vendas e facilitam ainda mais para o comprador, aquecendo o mercado que se movimenta em toda a sua cadeia construtiva”, acrescenta ele. Diferente do que aconteceu na crise de julho de 2016, em que a taxa de juros para contratação de financiamento imobiliário chegava a média de 15,9%, o índice encerrou setembro com  7,6%.
Planejamento e Construção -  Para incrementar as obras em condomínios, o setor de habitação também aposta em iniciativas que ofereçam
facilidades aos clientes. “Idealizamos iniciativas que tragam informações para as pessoas, como o site planejeviverbem.com.br e apresentando maneiras de solucionar a aquisição de lote e construção da casa própria, reunindo diversos profissionais da cadeia produtiva do setor, como arquitetos, engenheiros, construtoras, bancos, lojas de materiais de construção”, pontua Julio Cesar Braz. Muitas vezes, os planos ficam estagnados por falta de planejamento e informação.
Segundo o arquiteto Thiago Adrião, quem opta por construir pode economizar cerca de 40% a 50% em comparação a se comprar um imóvel pronto. Além disso, a valorização é ainda maior em condomínio horizontal.

Deixe seu comentário!