Blog - Giro Cultural

Postado em 14.06.2016 às 13:10 horas

A Orquestra Sinfônica da Universidade Federal de Mato Grosso (OSUFMT) contará com o talento de dois convidados especiais para o seu próximo concerto: o instrumentista Derico Sciotti como solista e o maestro Léo Cunha na regência, para espetáculos nos dias 16 e 17 de junho, no Teatro da UFMT, em Cuiabá. Com direção musical assinada pelo maestro titular da Sinfônica da UFMT, Fabricio Carvalho,  o espetáculo destaca a habilidade do instrumentista Derico Sciotti, cuja carreira tem repercussão nacional e internacional, reconhecido pela crítica como um dos mais talentosos artistas brasileiros. Na regência, a Orquestra vivencia a sensibilidade de Léo Cunha, indicado ao Prêmio da Música Brasileira em 2008, além da experiência em reger a Orquestra Sinfônica Collegium Musicum de Potsdam, na Alemanha, num concerto de músicas brasileiras em junho de 2011.

Para o maestro Fabricio, a plateia mato-grossense vai se deparar com dois artistas importantes da música brasileira, que juntos com a Orquestra da UFMT, vão trazer para o palco um repertório crochetado por canções populares, que ecoam na memória coletiva, com destaque para a musicalidade instrumental. “Em tempos em que  o conceito do que é `ser brasileiro´ provoca profundas reflexões diante do quadro político em que nos deparamos, buscamos na música o impulso para reconhecimento de valores essenciais, recuperando a autoestima do brasileiro, por meio da cultura”, pontuou o maestro. E a música brasileira vem alinhavando a temporada de 2016, com a participação do cantor e compositor Flavio Venturini, no concerto de abertura protagonizado pelo violinista Yllen Almeida, pelo ineditismo e autorialidade das canções germinadas dos artistas da terra, como Ana Rafaela, Lorena Ly, Linha Dura, Caio Mattoso e  Henrique Maluf, no mais recente concerto A Nova Música Nova de Mato Grosso.

“Dentre os instrumentistas brasileiros, o Derico versa pela música pop, pela instrumentalidade, sendo respeitado nacionalmente, e ainda acumula  performance expressiva, lapidada pela participação há anos no programa do Jô”, comenta Fabricio. No espetáculo, acrescenta o maestro, Derico executará três tipos de saxofone, além de outras surpresas. No repertório, Apanhei-te Cavaquinho, de Ernesto Nazareth; Potpourri Tom Jobim, com canções de Tom Jobim e Vinícius de Moraes; De Gonzaga a Sivuca, com músicas de Luiz Gonzaga e Sivuca; Homenagem a Dominguinhos, recheada de composições de Dominguinhos e Luiz Gonzaga, Não quero dinheiro, de Tim Maia. O play list conta também com hits de música instrumental como Jazzin’ Orchestra – Medley; The Long and Winding Road - The Beatles; Eleanor Rigby - The Beatles; Indiana Jones Theme - John Williams e Gonna Fly Now - Bill Conti.

Convidados - Derico começou seus estudos de flauta aos 5 anos de idade, e aos 11, já tocava profissionalmente. Estudou com mestres renomados como João Dias Carrasqueira, Antônio Carlos Carrasqueira, Jean-Noel Saghaard, Lídia Alimonda, Héctor Costita e Amilson Godoy. De formação erudita, Derico obteve repercussão nacional a partir de 1974, quando ganhou  concursos nacionais e internacionais para jovens instrumentistas, oportunizando  sua participação em recitais e concertos pelo Brasil. Nesta época, com 14 anos, foi “spala” (primeiro flautista) da Orquestra Jovem Municipal de São Paulo e participou do Festival de Inverno de Campos do Jordão, em 1980, sob a regência do maestro Eleazar de Carvalho. Na ocasião, se interessa por novos estilos musicais como jazz, blues, música instrumental (fusion) e música experimental (dodecafonismo e minimalismo), quando amplia suas perspectivas musicais, aprendendo novas linguagens em instrumentos como saxofone, piano, guitarra, contrabaixo, violão e bateria.

Derico torna-se multi-instrumentista e parte para uma carreira mais popular, conhecendo artistas com quem passa a trabalhar, tais como Dominguinhos, Diana Pequeno, Marlui Miranda, Jean & Paulo Garfunkel, Amelinha, Trovadores Urbanos, Ana de Hollanda, Celso Viáfora, Márcia Salomon, Chico César, Eliete Negreiros, além de participar com o Grupo Ânima de shows com Hermeto Paschoal, Egberto Gismonti, Itamar Assumpção, Arrigo Barnabé e Grupo Rumo.

Em 1990, participa das gravações do programa Jô Soares Onze e Meia,  do SBT, como saxofonista e flautista do Quinteto Onze e Meia, trabalho que lhe  possibilitou tocar com músicos como Chick Corea, George Benson, Billy Cobham, Ian Anderson, Ray Coniff, Pepeu Gomes, Ed Motta, Pedrinho Máttar, Paralamas do Sucesso, Kid Abelha, entre outros. E a parceria deu muito certo. Tanto assim que além de comandar o Sexteto no Programa do Jô, hoje exibido na Globo, é “Assessor para Assuntos Aleatórios” do Jô, protagonizando situações hilárias.

Derico contabiliza em sua carreira solo 8 CDs e dois livros ( “A Busca Dos Óculos de Graal – A História do Deriquismo e outros Assuntos Aleatórios” e “Bobagens.com”). Atua como solista de orquestras, com a Orquestra de Câmara OPUS de Belo Horizonte, regida pelo maestro Léo Cunha e com a Orquestra Filarmônica  Bachiana Jovem de São Paulo, regida pelo maestro João Carlos Martins.

 

No palco do Teatro da UFMT, a plateia terá a chance de contemplar o solista e também a OSUFMT sob a regência de maestro convidado, o que para Fabricio Carvalho é positivo. “Para a OSUFMT também é produtivo, acompanhar outra dinâmica, outro estilo. Será, certamente, um concerto de muita competência”, observa Carvalho.

Léo Cunha é mestre em Música e bacharel em Violino pela Escola de Música da UFMG. Seu currículo aponta para a interação entre música erudita e popular, envolvendo um trabalho que abrange desde arranjo e composição para teatro, espetáculos, encontros e festivais à regência de orquestras e coros e produção musical de diversos artistas.

No popular, atuou com  Milton Nascimento, Ana Carolina, Fafá de Belém, Daniela Mercury, Nando Reis, Flávio Venturini, Hermeto Pascoal, Toninho Horta, Roberto Menescal, Emílio Santiago, Leila Pinheiro, Eliana Printes, Danilo Caymi, Derico Sciotti, Wanda Sá, Celso Adolfo. Já no erudito, Arthur Moreira Lima, Antônio Meneses, Boris Belkin, Márcio Carneiro, Edson Queiroz, Jasmin Gottstein, Ulla Benz.

Em 2008 lançou um livro de arranjos de música brasileira para coral, intitulado "MPB a Quatro Vozes" utilizado por vários corais no Brasil e no exterior. Com a Orquestra de Câmara OPUS, produziu 2 CDs e esteve em turnê em 2011 no Peru e em 2012 na Europa. Em 2015 voltou à Europa com o coral da AABB e o Coral Luís de Camões em uma turnê.

 

Frequentemente é convidado para dirigir orquestras pelo Brasil. Atualmente é o maestro titular da Orquestra de Câmara OPUS, da Orquestra Sinfônica de Nova Lima, do Coral da AABB/BH e do Coral Luís de Camões.

Os concertos dos dias 16 e 17 de junho  integram a Temporada 2016, uma realização da UFMT, por meio da PROCEV – Pró-reitoria de Cultura, Extensão e Vivência, e apoio do Varadero e do Gran Odara. Os ingressos estão disponíveis na Casa de Festas e no site ingressosmt.com.br

 

Serviço

O Quê: Concerto da OSUFMT com o solista Derico Sciotti, sob a regência de Léo Cunha

Quando: dias 16 e 17 de junho

Horário: 20 horas

Local: Teatro da UFMT - Cuiabá

Deixe seu comentário!